Como a Matrix mudou a maneira como vemos a Internet

Matrix e la rete internet

Quantas vezes você já pensou se fosse tudo verdade? Se estivéssemos dentro da Matrix, a grande rede de máquinas? Sem dúvida, o filme dos Wachowskis de 1999 deixou uma grande pegada cultural e, depois de 20 anos, continua sendo um ponto de referência para muitos. Agora Lana Wachowski traz o quarto capítulo da história visionária do cyberpunk para a tela, mas o que resta de todas as imagens do primeiro filme para nós? E como a Matrix mudou a forma como vemos a web? Vamos refazer os conceitos-chave do filme e tudo o que se seguiu.

 

Códigos, artes marciais e cyberpunk

O que chamou a atenção na época do lançamento do primeiro filme foi a forte estética cyberpunk e a mistura de artes marciais, tecnologia avançada e uma interpretação filosófico-mística de todo o enredo. Do eleito Neo, para guiar Morpheus ao seu inimigo, ao agente Smith. Mas também Sião, a terra dos livres, longe das máquinas da modernidade.

Da mesma forma, algumas palavras-chave do filme ficaram gravadas em nossa memória, como a pílula vermelha e a pílula azul (tanto que já virou um ditado), o Escolhido e o famoso déjà vu que permite entender o erro no sistema da Matrix.

Daquele março de 1999 até hoje, a tecnologia certamente foi muito mais integrada ao nosso dia a dia, basta pensar em como estamos cercados por dispositivos inteligentes, IoT e suporte dado pela inteligência artificial. No entanto, estamos longe do mundo imaginado pelos Wachowskis, em que as máquinas tomam conta da humanidade.

Esse mundo imaginário, porém, essa metáfora, incutiu na cabeça de muitos a dúvida de que isso pode acontecer ou, na pior das hipóteses, já aconteceu e todos nós agora vivemos em uma realidade simulada. Como poderemos descobrir? Através do déjà vu. Comumente, esses deja vu são glitches, ou erros de sistema, um comportamento inesperado do software que mostra ao usuário um resultado inesperado; um erro de máquina.

 

Máquinas e hackers

No mundo da Matrix, as máquinas dominavam o mundo e alguns sobreviventes, alguns ‘despertados’, tinham o poder de mudar as coisas. Grande parte dessa guerra entre as máquinas e o homem ocorreu em uma realidade distorcida, à qual nos engajamos por meio de uma espécie de ‘sonho’ induzido. Mas a Matrix também foi construída através de um código, que continha todas as informações para criar o mundo e que também podia ser manipulado e controlado pelos rebeldes. Além disso, Neo, o protagonista principal e o Escolhido do filme, é um hacker, assim como os outros personagens.

Em 1999, os hackers ainda não eram tão conhecidos e tão diversos como são hoje, e apesar de uma aura misteriosa já ter sido criada em torno dessas figuras, a Matrix afirmou sua presença como rebeldes, como gênios, mas fora da lei.

Além de todas as implicações visionárias no enredo do filme e suas sequências (no capítulo 4, Neo é um programador de videogames), o mundo de Matrix teve um tremendo impacto cultural, levando muitos a entender melhor a computação, os códigos e a linguagem usados para descrever este ambiente. Ainda hoje, as sequências verdes de código usadas para representar a Matrix são usadas como símbolo de hackers e do mundo virtual.

 

Dentro e fora da Matrix

O filme, ou melhor, sua descrição da realidade, também estimulou e deu origem à teorias da conspiração nas quais o homem está realmente submetido às máquinas. Apesar disso, um dos pontos fortes do filme é mostrar um cenário possível e, principalmente com as sequências, mostra como a tecnologia funciona, usando os personagens como se fossem antivírus, patches, softwares, bugs e fontes (e o próprio título refere-se à matriz). Todos esses termos agora se tornaram habituais, no entanto, e estamos acostumados a ouvir e ler sobre eles nos dispositivos que usamos todos os dias.

Ao mesmo tempo os hackers – e o malware criado – e sua forma de agir mudaram, tornando-se cada vez mais complexos e em alguns casos muito perigosos (como demonstrado recentemente pela vulnerabilidade do Log4j (artigo em inglês)).

Certamente estamos longe da destruição do mundo e da humanidade demostrados na Matrix, mas estamos cada vez mais próximos de um mundo de vigilância digital e envolvimento de IA em nossa vida cotidiana. E sem recorrer às artes marciais ou técnicas de hackers, é sempre bom lembrar o que podemos fazer todos os dias para nos protegermos em nossa vida virtual: como ativar um antivírus, verificar sempre as informações que compartilhamos online e ativar uma VPN.

Autor do Blog da ExpressVPN em Português